terça-feira, maio 23, 2006

Vida nova

Ainda estou a a habituar-me à ideia... já comecei a formação no novo (velho) emprego mas ainda estou longe de estar ambientada (mesmo já conhecendo alguns cantos da casa).

Tudo me provova uma certa comichão (e não é a pulga atrás da orelha)... voltar a acordar às 6h para passar o Tejo antes do trânsito, andar às voltas para estacionar num lugar sem ser chulada pelo parquímetro, almoçar mal e porcamente, levar injecções de formação durante horas e horas seguidas e, acima de tudo, tentar perceber as pessoas... as mulheres principalmente são algo de transcendente! Sempre à procura da pose certa para a fotografia, sempre à procura daquele tom de voz desmaiado situado ali algures entre a tiazorra e a betalhada... tudo parece frase feita, discurso ensaiado e anda meio mundo a viver de e para as aparências, e outro meio mundo à procura da verdade entre tanta mentira!

Viver de aparências parece perigosamente contagioso... nunca tinha presenciado nada igual; propaga-se a uma "velocidade furiosa" nos escritórios lisboetas, tipo vírus informático sem antivírus à altura.

Não quero com isto dizer que estou insatisfeita, muito pelo contrário, sou muito bem tratada (até demais)... reflicto a minha imagem no espelho da alma e fico contente por não ser assim porém, intimamente, receio tornar-me em mais um espécime daqueles por não resistir à convivência sem sucumbir aos mesmos tiques. Por enquanto estou firme na minha atitude e, meus amigos, (os que me conhecem pessoalmente) dêem-me uma chapada na cara se um dia vos atender o telefone com um "está lááá" com voz nasalada e, se a juntar à pronuncia nasal, aparecer à vossa frente de madeixas loiro acobreado no cabelo, estão autorizados a pontapear-me violentamente até acordar desse estado de hipnose!

Tirando isso, está a correr muito bem!

2 comentários:

Rita disse...

boa sorte : ))))))))))))

psychic disse...

moça... "vêze-a"? pronto... então já sabes, ficas assim e ponho-te toda negra!!!!!

lol

Boa sorte! :)